26 de abr de 2011

Jesus nos dá a vida de Deus


A vida é um Dom de Deus, Dom gratuito que nos é dado por Amor.

Mas, além da vida natural, temos também a vida sobrenatural. No livro do Gênesis, vemos como Deus deu a nossos primeiros pais, o Dom de seu amor e sua amizade, a vida sobrenatural, vida de felicidade sem fim, junto de Deus.

Esse Dom da vida em Deus é a Graça Santificante, que perdemos por causa do pecado original.

Mas o Amor de Deus por nós é tão grande que nos enviou Seu Filho Jesus, para que através d´Ele e somente por Ele, nos seja dada a Salvação, a Graça que nos comunica a Vida Divina.
Por isso Jesus é a Fonte de Vida, Fonte de Graça. Na realidade, Jesus é a manifestação do amor do Pai por nós. Podemos dizer, Jesus é o Sacramento do Pai.

Como assim? Ora, é só lermos nos Evangelhos que Jesus, durante sua vida pública, pregou o Reino e Deus e o manifestou por meio de sinais. Quer dizer, percebemos nos gestos de Jesus - quando acolhia, ensinava, perdoava, curava, renovava - o seu interesse em comunicar vida e esperança para todos. Desse modo, Ele revelava a ternura de Deus por cada um de nós.

O próprio Jesus disse isso à uma mulher Samaritana, junto a um poço de água:
"Se conhecesses o Dom de Deus... pedirias tu mesma, e Ele te daria uma água viva... que jorrará até a Vida Eterna" (Jo 4, 1-16)

Essa água viva de que fala Jesus é a Vida de Deus, a Graça Santificante, que jorra para nós, não por nossos merecimentos, mas por merecimento do próprio Jesus Cristo, que veio ao mundo e morreu por nós, para termos a Vida Eterna.

Quem de nós não quer beber dessa Água?

Pois bem, ela nos é oferecida insistentemente durante toda nossa vida, pela ação do Espírito Santo, que Jesus nos enviou depois de sua Ascensão aos céus. A graça é um Dom, um grande presente, uma ajuda que Deus nos dá para que possamos responder ao seu convite: tornar-nos filhos de Deus, filhos adotivos, participantes de sua natureza divina, da Vida Eterna! Por isso a graça de Deus é sobrenatural, quer dizer, só Ele pode nos dar. Mas, nós devemos oferecer as condições de recebê-la e de colaborar com esse grande Dom de Deus.

Existe a Graça Habitual ou Santificante, que recebemos no Batismo. Em nós, ela é fonte da vida em santidade. Quando se diz que alguém está em "estado de graça", participa da vida divina procura agir conforme a vontade de Deus.

Existe a Graça Atual, que são auxílios, intervenções de Deus em nosso dia-a-dia para irmos ao seu encontro: um bom livro que nos cai nas mãos, um conselho de uma pessoa amiga, nosso arrependimento por algum mal que fizemos, a vontade de ajudar alguém que sofre, bons pensamentos... Mas, também recebemos a graça de Deus nos sofrimentos, doenças e contrariedades da vida, que muitas vezes nos levam a procurar a Deus. Enfim, através de sua graça, Deus quer nos dar a certeza de que Ele caminha ao nosso lado todos os dias e sempre.

Além da Graça Atual e da Graça Santificante, existe, também a Graça Sacramental, que vem para nós através dos Sacramentos, verdadeiros canais que de maneira especial e eficaz nos transmitem a Graça de Deus.

Os Sacramentos, instituídos por Jesus Cristo e confiados à Sua Igreja, são sete:

BATISMO
CONFIRMAÇÃO OU CRISMA
EUCARISTIA
RECONCILIAÇÃO E PENITÊNCIA
UNÇÃO DOS ENFERMOS
ORDEM
MATRIMÔNIO

Estes Sacramentos atingem todas as etapas e todos os momentos importantes da vida do cristão.
Por isso todo instante da vida é valioso. Mas, em certos momentos, provamos com maior intensidade a alegria de viver. Assim acontece na vida da Igreja. A família de Deus revela a presença de Jesus, mas quando se celebram os sacramentos, esta presença se torna mais forte e solene. Jesus quis instituir estes sacramentos, estes sinais, para manifestar o seu amor nos momentos particulares da vida dos homens. Estes sinais de salvação são confiados à Igreja. Por isso, podemos dizer que a Igreja é Sacramento de Cristo. Nos Sacramentos recebemos o Espírito Santo com sua graça que nos santifica e une à vida nova de Cristo Ressuscitado, que nos leva ao Pai.

Por isso, mais do que receber os Sacramentos, devemos viver da Graça Santificante e dar testemunho de vida cristã onde quer que estivermos.

Você crê e deseja viver esta realidade em sua vida?

Celebrando

Catequista: Vamos nos dividir em dois coros para rezar a seguinte oração do saudoso Papa João Paulo II:

1) Alegrai-vos, porque Jesus morreu na cruz! Amém.

2) Alegrai-vos, porque Ele ressuscitou dos mortos! Amém.

1) Alegrai-vos, pois no Batismo, Ele lavou-nos dos nossos pecados! Amém.

2) Alegrai-vos, pois Jesus veio libertar-nos! Amém.

Todos: Alegrai-vos, pois Ele é o Senhor da nossa vida! Amém. Aleluia!

Atividades

1) Para refletir:

a) Deus nos deu dons e qualidades. Muitas, vamos adquirindo ou conquistando na medida em que vamos nos conhecendo melhor. Quais são as qualidades que você possui e que deseja melhorar e aperfeiçoar?

b) Porém, além das qualidades, possuímos também defeitos. E, estes defeitos não só nos prejudicam mas também aos outros. Quais são os defeitos que você deve corrigir? Como você poderá conseguir isso?

2) Trabalhando em grupo:
- Vamos ler e trazer para a nossa vida a mensagem da epístola de São Paulo aos Efésios 4, 17-24.

4 comentários:

ϟ Cynthia Brito disse...

Com muito amor!!!!!!
Jesus é maravilhoso, bom demais para nós!!!
Sejamos todos bons filhos para nosso paizinho Santo!

Private Blog disse...

Gostaria de saber ONDE aparece na Bibilia qualquer referencia a intituição da Crisma, põe exemplo.

Private Blog disse...

Gostaria de saber ONDE aparece na Bibilia qualquer referencia a intituição da Crisma, põe exemplo.

Semeando Catequese disse...

Os profetas anunciaram que o Espírito do Senhor repousaria sobre o Messias (cf. Is 11,2). No Novo Testamento, toda a vida de Jesus se realiza em comunhão total com o mesmo Espírito (Jo 3,34), em vista de sua missão salvífica (Lc 4, 16-22; Is 61,1). A manifestação do Espírito Santo no Batismo de Jesus foi sinal de sua messianidade e filiação divina (Mt 3, 13-17; Jo 1, 33-34).

O Senhor prometeu, várias vezes, enviar aos seus a efusão do Espírito Santo (Lc 12, 12; Jo 3, 5-8; 7, 37-39; 16, 7-15; At 1,8). Ele cumpriu esta promessa na ressurreição (Jo 20, 22) e, de
modo admirável, no dia de Pentecostes (At 2, 1-4). Os que acolheram a palavra e foram batizados receberam o dom do Espírito Santo (At 2,38).

“Desde então, os apóstolos, para cumprir a vontade de Cristo, comunicaram aos neófitos, pela imposição das mãos, o dom do Espírito Santo, que leva a graça do Batismo à sua consumação (At 8, 15-17; 19,5-6). (…) A imposição das mãos é com razão reconhecida pela tradição católica como a origem do Sacramento da Confirmação que perpetua, de certo modo, na Igreja, a graça de Pentecostes” (Paulo VI, Constituição Apostólica Divinae Consortium Naturae).

Postar um comentário

Evangelizar é preciso!

Link-me