29/10/2012

Jesus nos revela o Pai que perdoa

Como é grande o amor de Deus, e a Sua Misericórdia!
Deus quer que saibamos disso! Que não tenhamos dúvida! Nem eu, nem você, nem nenhum pecador.

Mas, quem é pecador? Que é pecado? É uma falta de amor para com Deus.
Por nossa própria culpa, muitas vezes ofendemos a Deus, e nos desviamos do seu amor. É o pecado. Pode ser grave ou menos grave, mas é sempre pecado.

O pecado grave chama-se pecado mortal e destrói o amor no coração do homem.
O menos grave chama-se pecado venial, e embora não destrua completamente o amor de Deus em nós, enfraquece a vida da graça.

Um pecado é mortal quando:
  • a matéria é grave,
  • nós sabemos que é grave,
  • e assim mesmo queremos fazer o mal.
Devemos evitar com todas as forças o pecado grave, mas também os veniais pois sua repetição produz vícios e maus hábitos.

Mas Jesus nos deu uma certeza: por maior que seja o pecado, maior é o amor de Deus pelo pecador.
É esse amor e essa misericórdia que Jesus quer nos revelar com a parábola do Pai Misericordioso (Lc 15, 11-32)

Todos nós somos filhos pródigos. Todos esbanjamos tesouros de graças e dons gratuitamente recebidos de Deus, e, muitas vezes, longe da casa do Pai, passamos a viver entre porcos, na imundície do pecado, sujando nossa veste batismal. Mas como o pai esperou o filho pródigo, Deus está sempre esperando a volta do pecador., por mais longe que ele esteja.

Se pecamos, podemos voltar confiantes, pois nos espera uma festa: é o Amor infinito do Pai.
A bela túnica, o anel e o banquete da festa são símbolos da vida Nova, cheia de alegria, de quem, arrependido, volta para o Pai. E como o filho pródigo, nós também, podemos readquirir outra vez a dignidade de Filho de Deus.

Nessa parábola, Jesus nos mostra que o filho erra, mas, quando reconhece o seu pecado.
  • Arrepende-se
  • Decide voltar
  • Confessa sua falta
  • Pede perdão ao pai
  • Promete não mais pecar
Esse movimento de volta para Deus chama-se CONVERSÃO e é fruto do ARREPENDIMENTO e do firme PROPÓSITO de não mais pecar.

Esse é o caminho de volta do pecador, que se encontra com o Pai no SACRAMENTO DA RECONCILIAÇÃO E PENITÊNCIA. Nesta parábola, Jesus nos ensina também que devemos distinguir bem o pecado do pecador. Deus detesta o pecado, mas ama o pecador.

O pecado é mau e detestável, mas o pecador é filho, e, se volta arrependido, grande é a alegria no céu, da qual devemos participar.

"Convinha, porém fazermos festa, pois este irmão estava morto e reviveu, tinha-se perdido e foi achado" (Lc 15, 32)

Um verdadeiro cristão não perde a chance de receber o abraço misericordioso do Pai sempre que possível, no Sacramento da Reconciliação e Penitência.


VAMOS CELEBRAR:

Leitor 1: Como seria o nosso mundo se a palavra PERDÃO não existisse? Se o que ela significa não fizesse parte das experiências que cada um pode fazer? Se não houvesse mais uma mão estendida oferecendo a reconciliação? Se aquele que peca tivesse que continuar pecador para sempre? Se todo o mundo tivesse de ficar só, com o seu pecado? Se só existisse a vingança e não mais o perdão?

Leitor 2: Realmente seria insuportável. Mas, no encontro de hoje, Jesus nos conta como o Pai acolhe com alegria e perdoa aquele que reconhece seu pecado. Para receber o perdão de deus é preciso:

Lado 1: Arrepender-se

Lado 2: Confessar o seu erro

Lado 1: Pedir perdão ao Pai

Lado 2: Prometer não mais pecar.

Leitor 1: Quando nos afastamos de Deus e a Ele retornamos pelo Sacramento da Penitência e Reconciliação, somos como o filho mais moço da Parábola.

Todos: Estamos alegres ó Pai, pois acreditamos no teu perdão! E precisamos, contigo, aprender a perdoar.

Leitor 2: Ir ao encontro do outro, estender a mão, dizer a primeira palavra, dar o primeiro passo, aceitar o outro com as suas faltas, fazer triunfar o amor sobre o rancor e a vingança, romper o círculo vicioso da culpabilidade e do castigo, continuar o caminho juntos.

Todos: Ó Pai,  ensina-nos a manifestar em nossa vida o teu rosto terno e misericordioso.

Catequista: Agora, de mãos dadas, que significam o compromisso que assumimos de sermos irmãos uns dos outros, vamos rezar a oração do Pai Nosso, confiantes no perdão que recebemos e que devemos dar a todos.

Todos: Pai Nosso...

CANTO FINAL:


Abraço de Pai
(Adriana e Walmir Alencar)

Quanto eu esperei, ansioso queria te ver
E te falar o que há em mim, já não podia me conter.
Me decidi, Senhor, hoje quero rasgar meu viver
E te mostrar meu coração, tudo o que tenho e sou.

E por mais que me falem, não vou desistir
Eu sei que nada sou, por isso estou aqui.
Mas eu sei que o amor que o Senhor tem por mim
É muito mais que o meu, sou gota derramada no mar.

Quanto tempo também o Senhor me esperou
Nas tardes encontrou saudade em meu lugar.
Mas ao me ver na estrada ao longe voltar
Num salto se alegrou e foi correndo me encontrar.

E não me perguntou nem por onde eu andei
Dos bens que eu gastei, mais nada me restou.
Mas olhando em meus olhos somente me amou
E ao me beijar, me acolheu num abraço de pai.

2 comentários:

Alfa & Ômega disse...

Sheila, que bacana o seu post. Amei as explicações, principalmente a do pecado mortal! Sempre morria de medo dele! Beijos e abraços carinhosos

Sandra Sbroggio disse...

Lindo encontro, texto claro e fácil de entender. Sera um de meus próximos encontros!
Muito, muito obrigada!

Sandra Sbroggio
(São José do Rio Preto-SP)

Postar um comentário

Evangelizar é preciso!

Link-me